Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

domingo, 19 de janeiro de 2014

JUAN GELMAN E OCTAVIO PAZ

Juan Gelman (Foto: Cubadebate/Opera Mundi)


Por Atilio A. Boron(*), sociólogo e cientista político, no jornal argentino Página/12, de 16/01/2014.


Encontrei no excelente Evidentemente


Dois poetas, duas posturas diametralmente opostas: Gelman foi um poeta excelente e, ao mesmo tempo, um notável e comprometido estudioso da realidade contemporânea. O maior da Argentina e um dos maiores da literatura hispano-americana. Mas, a essas qualidades pode-se acrescentar uma virtude que não teve Octavio Paz, o outro dos grandes poetas da nossa língua: o mexicano mudou de lado e, no auge da batalha, desertou e saltou para o outro lado da barricada. Gelman, ao contrário, fiel aos seus princípios, sempre esteve onde tinha que estar. Paz, que havia sido um ardente revolucionário em sua juventude, terminou seus anos convertido num repugnante apologista do imperialismo e do neoliberalismo.



Com a queda da União Soviética, Paz deu rédea solta a um visceral anti-comunismo e sua figura serviu como polo de aglutinação para reacionários que andassem soltos pelo mundo. Com o generoso (e caudaloso) apoio do governo de Salinas de Gortari e da Casa Branca, organizou um grande evento chamado acadêmico no México – transmitido ao vivo pela Televisa (a maior emissora de TV do país) e pela cadeia Cablevisión dos Estados Unidos! – para celebrar a boa nova e, de passagem, promover a organização internacional dos intelectuais de todo o mundo para colaborar na desonrosa tarefa de criar o novo senso comum que requeria um neoliberalismo que abria alas para a força de ajustes, corrupção e repressão.



Contrapondo-se a esta decadente trajetória se ergue a figura de Gelman, que permaneceu firme em seu posto enquanto crescia o tsunami neoliberal. Contrariamente ao ocorrido com Paz, os tormentos da época jamais o levaram a exaltar o que havia repudiado ao longo de toda a sua vida. Por isso, foi um inimigo implacável do imperialismo, enquanto Paz se convertia em seu bem recompensado apologista. À excelência de sua poesia Gelman acrescentou uma coerência exemplar que se manifestava, semanalmente, na solidez de seus artigos jornalísticos publicados no Página/12, onde expunha com minúcias os crimes, as maquinações e os mecanismos econômicos, políticos e culturais da dominação imperialista. Suas matérias foram ao longo de muitos anos uma fonte obrigatória de consulta para quem queria combater de verdade – não com gestos e palavras vazias – o monstro que põe em questão a sobrevivência da humanidade.



Por isso podemos dizer que partiu um dos “imprescindíveis”, como dizia Brecht. Teremos saudades de suas incisivas colunas semanais, mas mesmo assim a obra de Gelman continuará sendo fonte de inspiração para todos os que acreditam que devemos, e podemos, construir um mundo melhor. Semeou palavras e ideias que já estão germinando com força nos corações de milhões de militantes anti-imperialistas da nossa América.



* Diretor do PLED, Centro Cultural da Cooperação Floreal Gorini.

Tradução: Jadson Oliveira





Observação do Evidentemente:



Uns mudam de lado, outros ficam e muitos começam



Lendo o artigo do nosso bravo combatente pelo socialismo Atilio Boron, me lembrei de gente como o jornalista Paulo Francis, que conheci rebelde dos tempos do Pasquim, na época da ditadura. Em especial dum artigo escrito por ele no Pasquim – se não me equivoco, logo que ele e sua turma saíram da prisão – esculhambando Roberto Marinho; a ilustração foi um bocado de moscas voando pela página, por entre as letras do texto, como a caracterizar o fedor do lixo do qual ele estava falando. Pois é, depois, até o fim da vida, Paulo Francis ficou mais conhecido como aquele pau mandado da Globo (do mesmo Roberto Marinho), que, de Nova Iorque, passou a meter o pau em tudo que cheirasse a coisa da esquerda.



Me lembrei do Roberto Freire, velho companheiro de lutas contra a ditadura, pernambucano retado, daquele grupo combativo dos chamados autênticos do MDB, do qual fazia parte nosso aguerrido e saudoso baiano Chico Pinto. Era do Partidão, o PCB (Partido Comunista Brasileiro, dirigido pelo lendário Luiz Carlos Prestes). Hoje Roberto Freire virou deputado paulista (seus conterrâneos o cassaram, negando seus votos), do tal do PPS, aderindo de malas e bagagens à direitona.



Me lembrei do nosso grande poeta Ferreira Gullar, maranhense, militante também do velho Partidão. Sabia de cor um seu poema, esqueci, aquele que dizia “clandestinamente a vida bate”, animava a gente na época dura da militância política sob a ditadura. Pois é, já li coisa de Gullar nos dias atuais elogiando o nefasto “vice-reinado” de Sarney no Maranhão e já li coisa dele metendo o pau na luta dos chavistas na Venezuela. Dá uma dor no coração...



Mas, apesar deles e de tantos, tantos mais, temos que seguir adelante, pois a luta dos povos continua, às vezes tropeça, cai, se levanta, cambaleia, se firma e segue adelante. Assim é a vida.