Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

terça-feira, 25 de abril de 2017

A DANÇA, poema de Pablo Neruda


Não te amo como se fosses a rosa de sal, topázio
Ou flechas de cravos que propagam o fogo:
Te amo como se amam certas coisas obscuras,
Secretamente, entre a sombra e a alma.
Te amo como a planta que não floresce e leva
Dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
E graças a teu amor vive escuro em meu corpo
O apertado aroma que ascendeu da terra.
Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
Te amo assim diretamente sem problemas nem orgulho:
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira,
Senão assim deste modo que não sou nem és,
Tão perto que tua mão sobre o meu peito é minha,
Tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.
Antes de amar-te, amor, nada era meu:
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se dependiam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado, decaído,
Tudo era inalianavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda

Para refletir (77)


Criatura versus Criador


Amália Rodrigues - "Uma Casa Portuguesa"

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Dei uma fraquejada...


Não conte pra ninguém, poema de Cora Coralina


Eu sou a velha
mais bonita de Goiás.
Namoro a lua.
Namoro as estrelas.
Me dou bem
com o Rio Vermelho.
Tenho segredos
como os morros
que não é de advinhá.

Sou do beco do Mingu
sou do larguinho
do Rintintim.

Tenho um amor
que me espera
na rua da Machorra,
outro no Campo da Forca.
Gosto dessa rua
desde o tempo do bioco
e do batuque.

Já andei no Chupa Osso.
Saí lá no Zé Mole.
Procuro enterro de ouro.
Vou subir o Canta Galo
com dez roteiros na mão.

Se você quiser, moço,
vem comigo:
Vamos caçar esse ouro,
vamos fazer água... loucos
no Poço da Carioca,
sair debaixo das pontes,
dar que falar
às bocas de Goiás.

Já bebi água de rio
na concha de minha mão.
Fui velha quando era moça.
Tenho a idade de meus versos.
Acho que assim fica bem.
Sou velha namoradeira,
lancei a rede na lua,
ando catando estrelas.

Cora Coralina

The Jolly Boys - "The Passenger"

domingo, 23 de abril de 2017

Cientistas chegam a mais provas de que os alienígenas não estão tentando se comunicar conosco




Via GizModo

Alguns pesquisadores do SETI acreditam que a melhor forma de detectar alienígenas é vasculhar o céu atrás de seus raios laser. Na maior pesquisa desse tipo, astrônomos escanearam 5.600 estrelas em busca desses sinais ópticos e acharam… absolutamente nada. Aqui vai o que isso significa para o SETI e outras buscas por vida alienígena inteligente.

Em um novo estudo aceito para publicação no Astronomical Journal, os astrônomos do SETI Nathaniel Tellis e Geoffrey Marcy, da Universidade da Califórnia em Berkeley, falam que eles foram incapazes de detectar assinaturas ópticas de extraterrestres avançados em mais de 67.000 espectros individuais produzidos por quase 5.600 estrelas na Via Láctea. Reveladoramente, cerca de duas mil dessas estrelas são suspeitas de habitar planetas quentes parecidos com a Terra, sugerindo que civilizações avançadas também não têm o hábito de transmitir lasers poderosos através do cosmo, ou simplesmente não existem. De maneira mais prática, quer dizer que devemos procurar sinais ópticos em outros lugares e expandir a nossa busca para incluir diversos outras potenciais sinais alienígenas. Para falar de maneira simples, não acabamos de procurar pelo ET.

Posto isso, o resultado negativo é inegavelmente triste. Sinais de laser seriam um jeito efetivo, barato e fácil de encontrar civilizações avançadas que estivessem buscando nossa atenção. Usando tecnologia similar com a que temos hoje, os alienígenas poderiam estar transmitindo deliberadamente sinais artificiais visíveis, infravermelhos ou emissões ultravioletas para a nossa estrela. Esses sinais dirigidos poderiam atrair a nossa atenção sendo contínuos ou anormalmente poderosos, ou contendo sinais de artificialidade, como pulsos inexplicáveis, ou uma linha de dados binários exprimindo algum tipo de fenômeno matemático (por exemplo números primos ou o pi).

Antes desse estudo, os pesquisadores do SETI avaliaram cerca de 20 mil estrelas em busca de sinais ópticos no observatório de Harvard, Oak Ridge, gastando cerca de dez minutos em cada objeto. Claramente, se a frequência de pulso dos lasers é mais longa do que isso, se a transmissão de laser dos ETs for temporária ou tiver parado de funcionar, estamos sem sorte. Sem surpresas, não encontramos nada de interessante até agora.
O curioso silêncio do espaço está ficando cada vez mais alto com cada nova tentativa de detectar vida alienígena inteligente.
Em um esforço para conduzir uma varredura mais pormenorizada dos céus, Tellis e Marcy analisaram um monte de dados coletados pelo telescópio de dez metros Keck e seu espectrômetro de alta resolução, HIRES, entre 2006 e 2016, como parte do California Planet Search (CPS). As 5.600 estrelas inclusas no estudo, a maioria estando a uma distância de 300 milhões de anos-luz, produziram 67.708 espectros estelares individuais, em média 96 sinais espectrais por estrela.

“Esse estudo junta a imensidão de dados coletados pelo telescópio Keck através de décadas, maioria parte de projetos de caça a planetas”, explicou o astrônomo da Penn State Jason Wright, que não estava envolvido no estudo, em uma entrevista ao Gizmodo. “Isso o torna sensível a lasers relativamente fracos de milhares das estrelas mais próximas e interessantes. É um ótimo exemplo de como o SETI pode ‘pegar carona’ em outros estudos, procurando sinais que podem ter sido ignorados ou jogados fora porque não eram o esperado ou porque pareciam muito com alguma fonte de ruído conhecida.”

Armados com esses dados, os pesquisadores então tiveram a tarefa de procurar por assinaturas espectrais que, nas palavras dos autores, “seriam esperadas de lasers ópticos alienígenas”. A potência desses lasers iria de 3 kW a 13 MW, o que não é nada tão extremo.

Diferentemente de sinais de rádio, que podem dissipar a longas distâncias, a luz laser consegue manter sua integridade conforme viaja através do espaço. “Nós podemos imaginar que seres mais tecnologicamente avançados que os humanos poderiam ser capazes de construir lançadores laser com níveis de potência tão altos quanto os detectados aqui, em qualquer um dos 5.600 sistemas solares que investigamos”, explicaram os pesquisadores em seu estudo.

Para analisar essa década inteira de dados, Tellis e Marcy desenvolveram um algoritmo que era (ao menos em teoria) capaz de discernir um possível sinal alienígena dentro dos espectros naturais de uma estrela. Se um sinal artificial tivesse sido voltado para a terra, ele seria detectável como um número incomumente alto de prótons comparado com as emissões de fundo da estrela. O algoritmo foi configurado para marcar qualquer ocorrência de três pixels consecutivos que excedessem os limites impostos pelos pesquisadores.

“Procuramos nos espectros a ‘claridade’ da estrela, relativa à luz que ela já está emitindo, que estava junta tanto no comprimento de onda quanto no espaço”, Tellis disse ao Gizmodo. “Encontrar um sinal que batesse com o perfil instrumental do HIRES do Keck significaria quase sem erro que estávamos vendo uma luz de laser, já que o espectro estelar normal contém apenas linha de emissão termalmente ampliadas. Essa é uma das vantagens-chave em usar o Keck, já que ele tem resolução espectral suficiente para distinguir os dois.”

Os limites foram bem amplos, resultando em um conjunto inicial de 5.023 candidatos. Os pesquisadores manualmente separaram esses resultados (com os olhos mesmo), diminuindo a lista cada vez mais, até identificarem a origem de cada falso positivo. As origens mais comuns desses falsos positivos incluem raios cósmicos, raios gama, radioatividade do observatório, moléculas na atmosfera terrestre e emissões de estrelas próximas. Eventualmente, Tellis e Marcy tiveram que aceitar a derrota.

“Nós não encontramos nenhuma emissão laser vinda de regiões planetárias ao redor de nenhuma das 5.600 estrelas”, concluíram os pesquisadores em seu estudo.

Esse resultado seria um golpe duro na sugestão de que civilizações avançadas podem durar milhares a milhões de anos, enquanto mandam sinais de “olá” para seus vizinhos todos. Mesmo se apenas uma pequena fração dos cerca de dois mil sistemas com planetas potencialmente similares à Terra tivesse civilizações tecnológicas que tiveram tempo de deliberadamente apontar raios laser de vários megawatt em nossa direção, nós teríamos detectado algum deles até agora.

“Esses resultados colocam um limite máximo no número de civilizações transmitindo lasers para nós enquanto estamos observando”, disse Tellis. “É apenas um tipo de comunicação, mas nós acreditamos que, para a comunicação apontada, os lasers são altamente funcionais.” Posto isso, ele admitiu que os lasers como um meio de comunicação parecem bons para nós nesse momento dada a nossa relativa juventude e que as estratégias de seu tipo dependem do acaso. “Nós precisamos ‘pegar’ seus sinais”, ele disse. “Mesmo assim, nós acreditamos que é um resultado valioso que a galáxia aparentemente não está lotada de lasers tão claros.”

Então, ou as civilizações alienígenas avançadas não se comportam dessa forma (eles escondem sua presença ou estão ocupados em outras atividades), ou elas não existem. Também é possível que civilizações tecnológicas sejam excepcionalmente raras na galáxia (tanto no tempo quanto no espaço), limitando enormemente a habilidade dos pesquisadores de detectarem um sinal. Como os autores do novo estudo admitiram, “nós precisamos começar a pensar se algumas teorias como o chamado paradoxo de Fermi têm algum mérito”. Realmente, o estranho silêncio do espaço está ficando cada vez mais alto com cada nova tentativa de detectar vida alienígena inteligente.

Sem data, os pesquisadores estão planejando uma pesquisa expandida. Como parte de um esforço de U$ 100 milhões do Breakthrough Listen, eles agora vão virar suas atenções para estrelas que foram ignoradas no estudo, incluindo estrelas anãs marrom e outros fenômenos astronômicos curiosos. Além de sinais ópticos, os pesquisadores do SETI podem procurar outros sinais de potencial vida alienígena inteligente, como emissões de microondas ou neutrino, estruturas dysonianas, sinais de dejetos industriais, habitats espaciais em trânsito etc.

Se os alienígenas estiverem lá fora, nós vamos encontrá-los. Eventualmente.

[The Astronomical Journal (arXiv)]

sábado, 22 de abril de 2017

Ou é santa ou é Puta, poema de Anna Morgalisa


Ou é santa ou é Puta
Ou senta ou some
Tu não guarda nenhum nome
Mas eu te tenho na escuta
Então lembra de uma coisa
Pra mim
Ou é mole ou é Dura
E mesmo a segunda
Não me serve
Se não me molho
Então me olha
No meu olho
E deixa eu ver teu passado
Teu presente
Teu futuro
Se ao menos me entende
Saiba que uma mulher só se deita
Dentro de si mesma
Ou acompanhada
Por alguém que a respeita


Anna Morgalisa

CUMPLICIDADE, poema de Yusef Komunyakaa


       Alguém diz Tristão
& Isolda, o cálice partilhado
& votos quebrados unindo-os,
& alguém mais diz Romeu
& Julieta, lira e harpa de judeu
sussurrando uma jura proibida,
mas eu digo trompa à meia-noite
& uma voz com um irritado anjo
em si, os dois casados costela
a costela, nota por nota. Claro,
estou pensando naquelas terças
ou quintas no Billy Berg´s
em L.A. quando Lana Turner dizia
"Por favor, canta `Strange Fruit´
pra mim," & então dançava
a noite toda com Mel Torme,
como se ela soubesse o que custa
fazer latão e carne dizerem sim
sob as estrelas clandestinas
& um espiralar tão veloz, que não
sentimos mover-se o planeta.
É por isso que alguns de nós caem
de amores, reerguem-se? Lady Day
& Prez ora abraçam-se um ao outro
e rogam àqueles deuses notórios?
Eu não sei. Mas eu sei sim que
mesmo se trompa e voz sondam
o desconhecido, o que fica por dizer
aglutina ao redor de um velho blues,
e implora, com olhos amarelos de falcão.

Yusef Komunyakaa

Tradução de Ricardo Domeneck

GOG - "Brasil com P"

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Capitalismo X Social Democracia

Sonhar é acordar-se para dentro, poema de Mário Quintana


Sonhar é acordar-se para dentro:
de súbito me vejo em pleno sonho
e no jogo em que todo me concentro
mais uma carta sobre a mesa ponho.


Mais outra! É o jogo atroz do Tudo ou Nada!
E quase que escurece a chama triste...
E, a cada parada uma pancada,
o coração, exausto, ainda insiste.


Insiste em quê? Ganhar o quê? De quem?
O meu parceiro... eu vejo que ele tem
um riso silencioso a desenhar-se


numa velha caveira carcomida.
Mas eu bem sei que a morte é seu disfarce...
Como também disfarce é a minha vida!

Mário Quintana



Quintanares



El Empleo / O emprego

Chico Buarque - "Hino da Repressão"

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Desinformação, você encontra na GLOBO


EMÍLIA, poema de Itárcio Ferreira


A primeira mulher não foi Eva,
nem Lilith,
a primeira mulher foi Emília.

Sim, foi Emília a primeira mulher
em minha vida.

Emília e o mar.

O mar de Pontas de Pedras,
os peixes ainda ofegantes
e cheirando a peixe.

A tartaruga morta,
os vivos morcegos da Igreja,
a música da rádio divulgadora.

Emília.

Nessa época de eu menino,
- ainda guardo um cartão de feliz
natal de 1966, assinado por Emília –
meus sonhos eróticos
eram povoados por mulheres nuas,
mulheres brancas e nuas,
sem pêlos, apenas a pele branca,
as pequenas vaginas,
os seios intumescidos de meninas,
como os de Emília, que nunca vi,
que nunca toquei.

Mulheres brancas, nuas e sem pêlos
que eu apenas olhava, olhava,
e satisfazia meu desejo em olhar:
Pareciam o mar de Pontas de Pedras.

Itárcio Ferreira

Via Itárcio Ferreira, poemas

Mapa da literatura mundial

Edith Piaf - "Non, Je ne regrette rien"

terça-feira, 18 de abril de 2017

da próxima vez que ele, poema de Rupi Kaur



da próxima vez que ele
comentar que os
pelos das suas pernas
cresceram de novo lembre
esse garoto que o seu corpo
não é a casa dele
ele é um hóspede
avise que ele
nunca deve passar por cima
das boas-vindas
de novo

Rupi Kaur

O que é a poesia? (1)

Garcia Lorca

"A poesia é a união de duas palavras que ninguém poderia supor que se juntariam, e que formam algo como um mistério".

(Federico García Lorca foi um poeta e dramaturgo espanhol)

Amália Rodrigues - "Nem As Paredes Confesso"

domingo, 16 de abril de 2017

à flor da língua, poema de Geraldo Carneiro




uma palavra não é uma flor uma flor é sue perfume e seu emblema o signo convertido em coisa-imã imanência em flor: inflorescência uma flor é uma flor é uma flor (de onde talvez decorra o prestigio poético das flores com seus latins latifoliados na boca do botânico amador) a palavra não: é só floriléfio ficção pura, crime contra a natura por exemplo, a palavra amor



Geraldo Carneiro

A história se repete como farsa


Cris Braun - "Dry Martini Drama"

sábado, 15 de abril de 2017

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Infiltrado, poema de Paulo Pignanelli


Posso deixar
os pesos a um canto
beber a leveza da semana

Esperar
pela redenção das horas
abandonar o posto
não voltar

Permitir a fuga dos
pássaros presos
os meninos tutelados pelos pais

Destruir apitos ultra-sônicos
incitar
a desobediência canina
da criadagem

Abrir os portões
das mansões ajardinadas
para que gatos e velhos
urinem na grama

Paulo Pignanelli

Após o golpe temeroso...


The Skatalites - "Rock Fort Rock"

quinta-feira, 13 de abril de 2017

DIABINHO NA GARRAFA - [Episódio 1] - (English Subtitles)

DESPEDIDA, poema de Itárcio Ferreira


                   
O tempo tudo cura,
o tempo tudo acaba.

A ferida, com o tempo, sara.

A dor da perda, com o tempo,
é esquecida.

O amor com o tempo acaba.

O tempo é o melhor dos remédios.

O tempo é o pior dos venenos.

Devolvo os teus livros!
Teus bilhetes, do tempo em que o amor
                                  ardia,
não te preocupes, rasguei-os.

Ah! os teus retratos,
Dois, exatamente,
devolvo-os junto com este poema.

Com o tempo, certamente,
esquecerei o sorriso que neles esboças.

O tempo,

como anseio hoje que passe.


Visitem o blog do poeta: Itárcio Ferreira, poemas