Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

À GLÓRIA DE WALT WHITMAN, poema de Antonio Miranda



"Então, é isso, a vida
         revelada enfim após
                  tantos espasmos e convulsões." WW
Eu, abjeto, confesso:
o conhecimento não pressupõe
a superação de problemas.

Eu, incestuoso
nivelo: construir é destruir
é mudar, tanto faz.
 
Eu, narcisista, como Whitman
concebo o homem
em estado puro.

Eu, anarquista
como o Barbudo democrata
panteísta
que só via o Todo
e ainda assim
desprezando regras morais.

Eu, imoral
diante da Morte celebrando a vida
— aquela vida que se reproduz e
perpetua-se
e rejuvenesce em outros corpos
feitos de pólen ou de
esperma
no ciclo infinito do universo.
 
Conhecimento da vida
da rua, do padecimento
— corpos possuídos, devorados
para a ressurreição
ou sucessão.
 
Formas que nascem e fenecem
que renascem
que não partam antes
que nelas deposite
o quanto trago acumulado.
 
Sêmen/te
o caminho do Oriente
o olho da serpente.
 
O sexo contém tudo, corpos, almas...
Sentidos, provas, pureza, leveza...
 
Eu, pedaço de Tudo
sofro a amputação
e protesto:
quero minha parte impura
confesso minha covardia
proclamo minhas limitações!!!
 
E teço o canto do mal
e comemoro essa parte de mim

Oh varar noites, vendavais, fome e desejo
recusas e atropelos, feito
árvores e animais.
 
É inscrever um poema
no coração da América
e na consciência do mundo
um poema-sujo
(que é o mais limpo de todos
como Gullar já demonstrou)
o anti-poema de Nicanor Parra
um hieróglifo, um código secreto
para os iniciados
e promover a leitura do Ser
em nossas entranhas e
entrelinhas.
 
Perverter os sentidos
em busca dos sentidos.
 
Velho amoral! Bruxo ianque!




Ilus. de José Campos Biscardi 
 
Extraído de PERVERSOS. Brasília: Thesaurus, 2003.