Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

sábado, 22 de fevereiro de 2014

APOSENTADORIA DE MANÉ DO RIACHÃO


Seu moço, fique ciente
De tudo que eu vou contar,
Sou um pobre penitente
Nasci no dia do azá,
Por capricho eu vim ao mundo
Perto de um riacho fundo
No mais feio grutião
E como ali fui nascido,
Fiquei sendo conhecido
Por Mané do Riachão.
Passei a vida penando
No mais crué padicê,
Como tratô trabaiando
Pro filizardo comê,
A minha sorte é trucida,
Pra miorá minha vida
Já rezei e fiz promessa,
Mas isto tudo é tolice,
Uma cigana me disse
Que eu nascí foi de trevessa.
Sofrendo grande cancêra
Virei bola de biá
Trabaiando na carrêra
Daqui, pra ali e pra aculá,
Fui um eterno criado
Sempre fazendo mandado
Ajudando aos home rico,
Eu andei de grau em grau
Taliquá o picapau
Caçando broca em angico.
Sempre entrando pelo cano
E sem podê trabaiá,
Com secenta e sete ano
Percurei me apusentá,
Fui batê lá no iscritoro
Depois eu fui no cartoro,
Porém de nada valeu,
Veja o que foi, cidadão,
Que aquele tabelião
Achou de falá pra eu.
Me disse aquele iscrivão
Frangindo o côro da testa:
- seu Mané do Riachão,
Este seus papé não presta,
Isto aqui não vale nada,
Quem fez esta papelada
Era um cara vagabundo,
Pra fazê seu apusento
Tem que trazê documento
Lá do começo do mundo.
E me disse que só dava
Pra fazê meu apusento
Com coisa que eu só achava
No Antigo Testamento,
Eu que tava prazentêro
Mode recebê dinhêro,
Me disse aquele iscrivão
Que precizava dos nome
E também dos subrinome
De Eva e seu marido Adão.
E além da identidade
De Eva e seu marido Adão
Nome de niversidade
Onde estudou Salomão
Com outras coisas custoza,
Bem custoza e cabuloza,
Que neste mundo revela
A Escritura Sagrada,
Quatro dente da quêxada
Que Sansão brigou com ela.
Com manobra e mais manobra
Pra puder me aposentá,
Levá o nome da cobra
Que mandou Eva pecá
E além de tanto fuxico,
O registro e o currico
De Nabuco Donozô,
Dizê onde ele morreu,
Onde foi que ele nasceu
E aonde se batizô..
Veja moço, que novela,
Veja que grande caipora
E a pió de todas ela
O sinhô vai vê agora,
Para que me apusentasse,
Disse que também levasse
Terra de cada cratéra
Dos vulcão dos istrangêro
E o nome do vaquêro
Que amansô a Besta Fera.
Iscutei achando ruim
Com paciênça fraca
E ele oiando pra mim
Com os óio de jararaca
Disse: a coisa aqui é braba
Precisa que você saba
Que eu aqui sou o iscrivão,
Ou estas coisa apresenta,
Ou você não se apusenta,
Seu Mané do Riachão.
Veja moço, o grande horrô
Sei que vou morrê dipressa,
Bem que a cigana falou
Que eu nasci foi de trevessa,
Cheio de necessidade
Vou vivê da caridade,
Uma ismola cidadão!
Lhe peço no Santo nome,
Não dêxe morrê de fome
O Mané do Riachão.

(Patativa do Assaré)