Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Poema para Galeano


Releio, depois dos anos,
‘As Caras e as Máscaras’ de Galeano.

A memória do fogo me vem,
salta pelos poros
e depois reentranha-se nas hospedarias
da imensa madrugada.

Aqui estamos,
aos teus pés, América!

Quem tocará
a índole do condor?

Romperá o tigre azul,
entre céus andinos,
por toda a cordilheira?

Qual dos teus pais, filhos da terra malsã,
te acolherá quando a zombaria
arrancar de teus braços
a tenra idade e o ouro,
depois de te condenar à sífilis e a fome,
quem nascerá com espadas nas mãos?

Vento em ti, canto de flechas,
rios do centro do mundo, irmãos da igualdade,
perdão e castigo.

Vento em ti, capitães do medo,
ataúdes e os sudários das mãos infantis,
dores em quatro ventos
e as selvas aquecidas por úmidas árvores gigantes.

Crescerá em teu ventre os mares revoltosos, o cais,
o sangue e o destino.

Em noites puras,
o sol será trazido pelo mais velho dos pássaros.