Aos Mestres, com carinho!

Aos Mestres, com carinho!
Drummond, Vinícius, Bandeira, Quintana e Mendes Campos

sábado, 26 de outubro de 2013

A PIOR COISA QUE EXISTE



A pior coisa que existe,
Num mundo criado por um deus guerreiro
E humanos sanguinários,
Poderia ser a dor física, apenas,
A flecha penetrando a carne viva,
Que sangra, uiva e grita.

A fome seria outra possibilidade,
Pois é inexprimível o suplicio do faminto;
Do sedento: da sede de água, de justiça,
De igualdade, da sede do socialismo.

A pior dor que o deus guerreiro
Dos cristãos legou ao mundo,
Tinha que ser uma dor suprema,
Indivisível, inimaginável, única, nunca sentida.

Por ser provocada pelo símbolo do amor,
Da carência, da vaidade, das iniquidades,
Uma dor que não consta dos livros sagrados,
Dos túmulos caiados, uma dor: A Dor.

Qual ser, qual programa, qual matriz,
Qual irrealidade
Conspira para que nossos cérebros
Sejam inimigos de o nosso existir?

Nada, nada, nada, nenhum bálsamo,
Nenhum médico, nenhum alquimista                 
Nem feiticeiro,
Descobrirão a essência da maldade
De este ser tão pusilânime.

A maior dor que um  
Pode cravar sobre outro ser,
Além de uma estaca no peito,
É a consciência do existir:
Sofro, logo existo;
Desejo, logo sofro.

Nada é sonho,
Nada é pesadelo
Do qual podemos acordar
E sorrir: era tudo brincadeira!

Nada é mais vil e mais cômico,
Mais devastador do que a velhice,
Seus enxaques, suas dores, o ridículo.
A velhice e a sua impossibilidade
De ser, de amar, de decidir
O que não lhe é, sadicamente, permitido.

(Itárcio Ferreira)